GranaSmart » Finanças pessoais » Taxas de Juros: Conceito e Definições

Taxas de Juros: Conceito e Definições

Taxas de juros, cálculos, índices e cotações.. Qual o conceito e definição, o que é Juros, Selic, Copom e quais são as melhores taxas para empréstimo.. Tudo bem explicado!

Taxas de Juros: Conceito e Definições

O juro ou taxa de juros são os percentuais cobrados a mais sobre o montante total do valor de um empréstimo ou crédito aplicados pelo credor para liberar dinheiro. Qualquer um pode efetuar um empréstimo de dinheiro com a cobrança de juros, o que geralmente acontece com instituições financeiras.

No artigo agiota e agiotagem falamos tudo, como pessoas comuns emprestam dinheiro cobrando juros legalmente.

Taxas de juros – o que é, o que são?

A taxa de juros é o instrumento utilizado pelo BC (Banco Central) para manter a inflação sob controle ou para estimular a economia. Se os juros caem muito, a população tem maior acesso ao crédito e, assim, pode consumir mais. Esse aumento da demanda pode pressionar os preços caso a indústria não esteja preparada para atender um consumo maior.

Rendimento, taxas e juros?

Juros é o rendimento que se obtém quando se empresta dinheiro por um determinado período. Os juros são para o credor (aquele que tem algo a receber) uma compensação pelo tempo que ficará sem utilizar o dinheiro emprestado.

Por outro lado, se os juros sobem, a autoridade monetária inibe o consumo e investimentos – que ficam mais caros-, a economia desacelera e evita-se que os preços subam – ou seja, que haja inflação.

Bancos e a cobrança de juros

Os bancos creditam juros aos depositantes também, porém cobram um pouco mais dos tomadores de consignado e crédito pessoal em geral. Bancos lucram emprestando, por isso é comum que as instituições financeiras entrem em competição acirrada tanto pelos mutuários quanto pelos depositantes.

Essa concorrência permite que as taxas de juros seja mais lineares e bem mais atrativas.

Quer saber mais sobre os mecanismos por trás desse índice tão importante? Então, você veio ao lugar certo. Nesse texto, apresentaremos para as principais informações sobre este assunto (taxa de juros). Continue sua leitura para saber mais!

Como funcionam as taxas de juros

Juros são aplicados sobre o valor total do débito que ainda não foi pago. Antes de concluir qualquer negociação financeira, é imprescindível que se conheça qual é a taxa real incidente de juro para se ter a noção exata de quanto será a dívida futura.

Deve-se pagar a parcela total que vence no mês para que não incidam juros ainda maiores em cima do montante devedor, e acabe sendo cobrado juros sobre juros mesmo com a ocorrência de pagamentos.

Mesmo com a competição entre instituições financeiras relacionada ao percentual de juros, eles não são iguais. Cada credor cobrará uma determinada taxa de acordo com o risco de inadimplência previsto, por conta disto, temos empréstimo mais caros ou mais baratos.

Saber seus pontos fracos e fortes relacionados ao seu crédito pessoal na praça e as formas de melhorar seu score ou pontuação é importante, pois quanto maior for esses pontos, menos juros serão cobrados em qualquer transação financeira que você for fazer.

O que a Taxa Selic?

Selic é a sigla para Sistema Especial de Liquidação e Custódia, criado em 1979 pelo Banco Central e pela Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) para tornar mais transparente e segura a negociação de títulos públicos.

A Selic é um sistema eletrônico que permite a atualização diária das posições das instituições financeiras, assegurando maior controle sobre as reservas bancárias.

Hoje, a Selic identifica também a taxa de juros que reflete a média de remuneração dos títulos federais negociados com os bancos. A Selic é considerada a taxa básica porque é usada em operações entre bancos e, por isso, tem influência sobre os juros de toda a economia do país.

O que é o Copom?

O Copom foi instituído em junho de 1996 para estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa de juros.

O colegiado é composto pelo presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, e os diretores de Política Monetária, Política Econômica, Estudos Especiais, Assuntos Internacionais, Normas e Organização do Sistema Financeiro, Fiscalização, Liquidações e Desestatização, e Administração.

O Copom se reúne em dois dias seguidos. No primeiro dia da reunião, participam também os chefes dos seguintes departamentos: Econômico (Depec), de Operações das Reservas Internacionais (Depin), de Operações Bancárias e de Sistema de Pagamentos (Deban), de Operações do Mercado Aberto (Demab), de Estudos e Pesquisas (Depep), além do gerente-executivo da Gerência Executiva de Relacionamento com Investidores (Gerin).

Taxas de juros reajustam o crescimento econômico

É fato que os empréstimos pessoais ficam mais caros conforme a taxa de juros. Se ela estiver alta, pessoas e também empresas que possivelmente fariam um empréstimo podem desistir, reduzindo assim a disposição de crédito para financiar compras, reduzindo as ofertas ao consumidor.

Em contrapartida há o incentivo relacionado a poupança já que acontece um recebimento maior nos juros do que se poupou. A redução do capital para negócios também acontece quando as taxas estão elevadas, estrangulando a oferta. Isso desacelera a economia.

O oposto na economia ocorre com as taxas permanecendo baixas. Assim que os poupadores percebem uma desvantagem lucrativa em seus depósitos, acabam gastando mais ou então investindo o dinheiro em operações mais arriscadas, porém com melhor retorno financeiro.

Todo esse processo acaba por elevar o preço das ações. As taxas de juros menores fazem com que os empréstimos se tornem mais acessíveis, expandindo os negócios bem como a oferta de novos empregos.

Se as taxas de juros reduzidas fornecem tantos benefícios às diversas classes econômicas, por qual motivo elas não são mantidas assim? Por que taxas baixas podem causar inflação. Com liquidez em excesso, a demanda acaba superando a oferta e consequentemente os preços sobem.

Tipos de indicadores de juros

Existem dois tipos distintos de indicadores que medem as taxa cobradas de juros: taxa nominal e anual. A nominal é o percentual que se aplica no momento em que se realiza o pagamento dos juros. A anual é o indicador padrão sobre o ganho final em um determinado ano.

As taxas de juros incidem sobre qualquer operações financeiras que se faça, portanto elas são consideradas em relevância no momento em que se realiza as transações de curto a longo prazo. Na página do BC você encontra uma lista de todas as taxas praticadas atualmente.

Vejamos agora quais são os tipos de juros existentes no mercado:

Juros Compostos

O que é Juros compostos

Acontece quando os juros são pagos sobre o valor do montante principal emprestado e em cima dos juros que se obteve em períodos anteriores a estes.

Juros de Mora

O que é Juros de mora

São os famosos juros cobrados sobre atrasos, ou seja, são as taxas incidentes caso o pagamento ultrapasse o dia limite para quitação. É estabelecido pelo Código de Defesa do Consumidor que seja de no máximo 2%.

Juros Nominais

O que é Juros nominais

São os juros que podem incluir a correção monetária sobre o valor da dívida. Não é via de regra, mas geralmente quando se vai fazer um empréstimo ou financiamento, as taxas iniciais são apresentadas de forma nominal, sem o desconto da inflação vigente no período.

Juros Reais

O que são Juros reais

Esse percentual é determinado como a que incidirá sobre o empréstimo ou financiamento onde não está incluído a correção monetária sobre o valor total. Se a inflação estiver zerada, as taxas reais e as nominais serão as mesmas.

Juros Rotativos

O que são Juros rotativos

Os juros rotativos são os percentuais cobrados quando há atraso no pagamento de uma fatura de cartão de crédito ou até mesmo sobre o valor da diferença que foi financiada.

Juros sobre Capital Próprio

O que é Juros sobre capital próprio

Esse tipo de juros é pago tirando por base o lucro que foi retido pela empresa em anos anteriores, como uma maneira de remunerar os acionistas de uma determinada companhia.

Diferença entre CET e juros

Para entender essa diferença é necessário primeiramente saber o que é o CET (Custo Efetivo Total). Ele pode ser definido como a taxa que o devedor irá pagar efetivamente, já que leva em consideração todos os encargos que tecnicamente serão embutidos na prestação.

Já os juros são a remuneração que se cobra sobre o valor total do débito que é composto pelo valor líquido, juntamente com o IOF (Imposto sobre operações financeira) e mais as comissões da instituição parceira da transação financeira.

O CET (Custo Efetivo Total) é o índice que corresponde a tudo o que engloba o valor do débito, seja a incidência de encargos como taxas extras, juros, tributos e demais despesas que incidirão sobre a operação de empréstimo ou financiamento.

Sendo assim, é possível saber não só o valor dos juros cobrados em si, mas também o custo total e verdadeiro dessa operação. O CET é, de longe, a melhor maneira de se comparar as diversas opções encontradas de financiamentos ou empréstimos para verificar a mais vantajosa.

Embora não haja muita clareza por parte das instituições financeiras em explicitar minuciosamente ao contratante do empréstimo quais são as devidas taxas, muitos acabam realmente achando que a taxa de juros é a menor do mercado, mas não sabe o que acabará pagando no final.

E aí? Suas dúvidas foram sanadas com a breve explicação sobre taxa de juro? Se foi, te convido à compartilhar esse post em suas redes sociais e deixar o seu comentário sobre suas impressões acerca das taxas de juros incidentes no mercado de crédito e empréstimo pessoal.

Taxas de Juros: Conceito e Definições
Média 534 votos

No GranaSmart, aderimos aos rigorosos padrões de integridade editorial para ajudá-los a tomar decisões com segurança. Alguns dos produtos que apresentamos são de nossos parceiros. Entenda como ganhamos dinheiro.

Dê a sua opinião!

3 0

Deixe uma resposta